Criar Quiz
Criar Quiz
A Herdeira (1/?) 🌹

A Herdeira (1/?) 🌹

Tags : Herdeira Reino realeza Aesthetic Princesa Quiz RPG

↪ Quiz estilo RPG
↪ Terão mais partes, mas ainda não sei dizer quantas
↪ Todas as imagens foram retiradas do Pinterest, nenhuma me pertence!

Iniciar o Quiz
Incorporar
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16

Marie Aubry era uma garota simples, que morava em uma cidade pequena na França com sua mãe, Alicia. Elas não passavam por dificuldades, mas sua vida também não era das melhores.

Qual sua aparência (Marie)? Marie Aubry era uma garota simples, que morava em uma cidade pequena na França com sua mãe, Alicia. Elas não passavam por dificuldades, mas sua vida também não era das melhores.

Qual sua aparência (Marie)?

~06:10

Você acorda cedo como de costume, afinal, hoje é dia de escola. Abre a janela para respirar um pouco de ar puro e sorri com a bela vista do céu. Logo, você toma um banho e se arruma para ir a escola.

Qual roupa escolheu? ~06:10

Você acorda cedo como de costume, afinal, hoje é dia de escola. Abre a janela para respirar um pouco de ar puro e sorri com a bela vista do céu. Logo, você toma um banho e se arruma para ir a escola.

Qual roupa escolheu?

Você caminha até a cozinha e começa a preparar o café da manhã.
Já fazia um tempo que sua mãe estava doente, mas nos últimos dias, ela havia piorado. Os médicos não sabiam dizer o que ela tinha, e o dinheiro que tinham não era suficiente para ir a um hospital de qualidade.
Ao terminar, vai até o quarto de sua mãe e bate levemente na porta, entrando em seguida.
- Mamãe? - chama.
- Bom dia, querida. - ela se senta na cama com dificuldade e você corre para ajudá-la. Quando percebe que ela está segura, deposita a bandeja com a comida suavemente em seu colo. - Obrigada.

O que você havia preparado? Você caminha até a cozinha e começa a preparar o café da manhã.
Já fazia um tempo que sua mãe estava doente, mas nos últimos dias, ela havia piorado. Os médicos não sabiam dizer o que ela tinha, e o dinheiro que tinham não era suficiente para ir a um hospital de qualidade.
Ao terminar, vai até o quarto de sua mãe e bate levemente na porta, entrando em seguida.
- Mamãe? - chama.
- Bom dia, querida. - ela se senta na cama com dificuldade e você corre para ajudá-la. Quando percebe que ela está segura, deposita a bandeja com a comida suavemente em seu colo. - Obrigada.

O que você havia preparado?

Você puxa uma cadeira e senta ao seu lado, observando-a comer.
- Vai se atrasar para a escola. - alerta ela.
- Tenho tempo. - responde com um sorriso.
Quando sua mãe termina a refeição, você se levanta e retira a bandeja.
- Estava maravilhoso. Obrigada. - diz, sorrindo fraco.
- É o mínimo que eu posso fazer. - fala enquanto ajeita as cobertas dela.
- Agora vá, querida. - ela te abraça e você retribui, com cuidado. - Boa aula.
- Amo você. - você lembra e se afasta. - Até mais tarde.
Sai do quarto, fechando a porta com cuidado, mas a tempo de ouvi-la tossir. Você suspira preocupada.
Após passar na cozinha para deixar a bandeja, vai caminhando até a escola. Você puxa uma cadeira e senta ao seu lado, observando-a comer.
- Vai se atrasar para a escola. - alerta ela.
- Tenho tempo. - responde com um sorriso.
Quando sua mãe termina a refeição, você se levanta e retira a bandeja.
- Estava maravilhoso. Obrigada. - diz, sorrindo fraco.
- É o mínimo que eu posso fazer. - fala enquanto ajeita as cobertas dela.
- Agora vá, querida. - ela te abraça e você retribui, com cuidado. - Boa aula.
- Amo você. - você lembra e se afasta. - Até mais tarde.
Sai do quarto, fechando a porta com cuidado, mas a tempo de ouvi-la tossir. Você suspira preocupada.
Após passar na cozinha para deixar a bandeja, vai caminhando até a escola.

  • .
  • .

~07:00
Você consegue chegar a escola no horário, por sorte. Assim que se aproxima, vê Olivia, sua melhor amiga, te esperando na entrada.
Vocês se conhecem desde crianças e são inseparáveis. Ela te entende como ninguém, é extrovertida e sociável.

Qual a aparência dela? ~07:00
Você consegue chegar a escola no horário, por sorte. Assim que se aproxima, vê Olivia, sua melhor amiga, te esperando na entrada.
Vocês se conhecem desde crianças e são inseparáveis. Ela te entende como ninguém, é extrovertida e sociável.

Qual a aparência dela?

- Marie! - ela cumprimenta, alegre. Porém, ao ver sua cara, seu sorriso murcha. - Você está bem? O que aconteceu? - Marie! - ela cumprimenta, alegre. Porém, ao ver sua cara, seu sorriso murcha. - Você está bem? O que aconteceu?

  • - Não é nada, não precisa se preocupar. - você responde rapidamente. Ela ergue uma sobrancelha. - Olivia! - Está bem, está bem. - ela ergue as mãos em sinal de rendição. - Se você diz.
  • - Só estou preocupada com minha mãe. - confessa com um suspiro. Ela faz uma careta. - É complicado... Mas tenho certeza de que ela vai ficar bem. Sua mãe é forte. - diz com um sorriso amável. - Tomara. - você desvia o olhar.

~10:46
Você estava no meio de uma tediosa aula de química, anotando o conteúdo em seu caderno, quando, repentinamente, a aula é interrompida. A diretora aparece na porta e, discretamente, chama seu professor.
- Um momento, pessoal. - anuncia, caminhando até ela. Eles conversam rapidamente e ele se vira para a turma novamente. - Marie Aubry, pegue seu material e venha até aqui, por favor.
Toda a sala te olha instantaneamente.

Qual a sua reação? ~10:46
Você estava no meio de uma tediosa aula de química, anotando o conteúdo em seu caderno, quando, repentinamente, a aula é interrompida. A diretora aparece na porta e, discretamente, chama seu professor.
- Um momento, pessoal. - anuncia, caminhando até ela. Eles conversam rapidamente e ele se vira para a turma novamente. - Marie Aubry, pegue seu material e venha até aqui, por favor.
Toda a sala te olha instantaneamente.

Qual a sua reação?

  • - Eu não fiz nada. - declaro em voz alta, causando alguns risos.
  • Franzo a testa, confusa, mas obedeço e guardo minhas coisas.
  • Fico preocupada, com minhas paranoias já indo bem longe. Não perco tempo em pegar minhas coisas e ir até eles.
  • Envergonhada pelos olhares, guardo meu material o mais rápido possível e caminho apressada até o professor.

A diretora fecha a porta da sala e seu professor entra, lhes dando privacidade.
- Marie - começa ela, parecendo apreensiva. - Sinto muito em ter que lhe dar essa notícia, mas... É a sua mãe. Parece que uma vizinha ouviu tosses fortes e mandou chamar o médico. Eles acham que... ela não vai resistir. A diretora fecha a porta da sala e seu professor entra, lhes dando privacidade.
- Marie - começa ela, parecendo apreensiva. - Sinto muito em ter que lhe dar essa notícia, mas... É a sua mãe. Parece que uma vizinha ouviu tosses fortes e mandou chamar o médico. Eles acham que... ela não vai resistir.

  • Arfo, com as lágrimas invadindo meus olhos. Ela fala mais alguma coisa, mas não presto atenção. Assim que termina, vou rapidamente até minha casa, desnorteada.
  • Não espero para ouvir o que mais ela tem a dizer e saio em disparada para casa.
  • Escuto-a atentamente até o fim, tentando manter a calma e, então, ela me dispensa. Volto depressa para casa, preocupada.
  • Suspiro. Bom, eu já sabia que isso iria acontecer. Depois que ela termina, volto para casa, abatida.

Assim que você entra, vai direto até o quarto da sua mãe, onde encontra um médico e sua vizinha.
Você se aproxima da cama, onde sua mãe está deitada inerte.
- Eu sinto muito, srta Aubry. - as palavras do médico confirmam suas suspeitas. - Ela pediu que eu lhe entregasse isso. - ele te estende uma carta, que você pega imediatamente.
O homem continua a falar, quanto as formalidades. Mais homens chegam para retirar o corpo, mas se retiram rapidamente, assim como a vizinha, que lhe dá um abraço antes de sair. Assim que você entra, vai direto até o quarto da sua mãe, onde encontra um médico e sua vizinha.
Você se aproxima da cama, onde sua mãe está deitada inerte.
- Eu sinto muito, srta Aubry. - as palavras do médico confirmam suas suspeitas. - Ela pediu que eu lhe entregasse isso. - ele te estende uma carta, que você pega imediatamente.
O homem continua a falar, quanto as formalidades. Mais homens chegam para retirar o corpo, mas se retiram rapidamente, assim como a vizinha, que lhe dá um abraço antes de sair.

  • Não contenho as lágrimas, chorando inconsolável. Não consigo prestar atenção no que ele diz.
  • Demoro alguns segundos para absorver o que acabara de acontecer. Sento, desnorteada, apenas assentindo com a cabeça para tudo o que me é dito, mas não estou realmente ouvindo.
  • Tento manter a calma em frente aos médicos, escutando-os atentamente, mas assim que todos saem, começo a chorar.
  • Me mantenho firme, sem me abalar muito. Fico pensando em como tudo aquilo me daria muita dor de cabeça, afinal precisava me preocupar com o enterro, o testamento e essas coisas.

A carta! Você estava quase se esquecendo. Assim que se recupera, não perde tempo em lê-la.

"Querida Marie,
se está lendo isso, é porque não estou mais com você. Sinto muito que tenha acabado dessa forma, mas tenho coisas mais importantes para dizer primeiro.
Eu sei que disse que seu pai estava morto, mas era mentira. Ele ainda vive e é ninguém mais, ninguém menos do que Anthony Charles Bourgeois Le Monn, Rei da França. Ele não sabia da sua existência até alguns dias atrás, quando eu lhe mandei uma carta. Provavelmente, entrará em contato.
Ainda há muita coisa que você precisa saber, mas acima de tudo, preciso dizer que eu realmente sinto muito por ter escondido isso de você. Espero que tudo dê certo. Eu te amo.
Mamãe"

*notas da autora: EU SEI que a França deixou de ser uma monarquia em 1792, mas isso é apenas ficção, então vamos fingir, okay? A carta! Você estava quase se esquecendo. Assim que se recupera, não perde tempo em lê-la.

"Querida Marie,
se está lendo isso, é porque não estou mais com você. Sinto muito que tenha acabado dessa forma, mas tenho coisas mais importantes para dizer primeiro.
Eu sei que disse que seu pai estava morto, mas era mentira. Ele ainda vive e é ninguém mais, ninguém menos do que Anthony Charles Bourgeois Le Monn, Rei da França. Ele não sabia da sua existência até alguns dias atrás, quando eu lhe mandei uma carta. Provavelmente, entrará em contato.
Ainda há muita coisa que você precisa saber, mas acima de tudo, preciso dizer que eu realmente sinto muito por ter escondido isso de você. Espero que tudo dê certo. Eu te amo.
Mamãe"

*notas da autora: EU SEI que a França deixou de ser uma monarquia em 1792, mas isso é apenas ficção, então vamos fingir, okay?

  • Recomeço a chorar, tanto por saudades dela, quanto por emoção ao descobrir que sou princesa da França!
  • Um enorme sorriso se forma em meu rosto. Eu sou uma princesa!
  • Como assim minha mãe nunca me contou? Eu não acredito. Quero provas e respostas!
  • Fico contente pela revelação, mas não posso deixar de me sentir mal pela mamãe.
  • Acho curioso, mas como vou ficar feliz? Minha mãe acabou de morrer!
  • Não faz a menor diferença pra mim. Nem sei se isso é verdade.

~11:22
Era uma manhã de domingo. Já havia se passado uma semana desde a morte de sua mãe e, desde então, sua casa estava sempre cheia, fossem advogados ou amigos querendo desejar seus pêsames. O enterro fora há alguns dias atrás.
Você estava tentando não pensar nisso, porém naquele dia era inevitável. O antigo quarto dela precisava ser arrumado, tal como suas coisas. Na tentativa de sair um pouco do clima mórbido, você havia convidado Olivia para te ajudar.
- Sério? Você está brincando! - você tinha acabado de contar a sua melhor amiga sobra a carta. - Marie, isso é demais! Você é uma princesa! ~11:22
Era uma manhã de domingo. Já havia se passado uma semana desde a morte de sua mãe e, desde então, sua casa estava sempre cheia, fossem advogados ou amigos querendo desejar seus pêsames. O enterro fora há alguns dias atrás.
Você estava tentando não pensar nisso, porém naquele dia era inevitável. O antigo quarto dela precisava ser arrumado, tal como suas coisas. Na tentativa de sair um pouco do clima mórbido, você havia convidado Olivia para te ajudar.
- Sério? Você está brincando! - você tinha acabado de contar a sua melhor amiga sobra a carta. - Marie, isso é demais! Você é uma princesa!

  • - *Talvez* eu seja uma princesa. - corrigi. - Não quero criar expectativas e depois quebrar a cara.
  • - Liv! - revirei os olhos. - Tenho certeza de que isso não passa de um mal entendido. É a maior besteira que já ouvi na vida, com respeito a minha mãe.
  • - Eu sei! - digo contente. - Estou muito ansiosa com tudo. Ainda não consigo acreditar!
  • - Não tenho certeza de nada ainda. - alerto. - Mas se for verdade, vai ser incrível.

No mesmo instante, a campainha toca.
Você se levanta e vai atender. Nos últimos dias, aquilo já estava se tornando rotina, mas desta vez, encontrou um homem desconhecido ao abrir a porta.
- Bom dia. Falo com a srta Marie Aubry? - perguntou. Ele usava roupas elegantes e tinha olhos claros. No mesmo instante, a campainha toca.
Você se levanta e vai atender. Nos últimos dias, aquilo já estava se tornando rotina, mas desta vez, encontrou um homem desconhecido ao abrir a porta.
- Bom dia. Falo com a srta Marie Aubry? - perguntou. Ele usava roupas elegantes e tinha olhos claros.

  • - Quem gostaria? - pergunto, cruzando os braços.
  • - Sim, por que? - questiono desconfiada.
  • - Sou eu. - respondo educadamente.
  • - Sim. - digo confusa. - Em que posso ajudar?

- Meu nome é Vincent. - declara. - Estou aqui em nome de vossa majestade, o rei Anthony. Ele recebeu uma carta de Alicia Aubry.
- Ela está morta. - você diz ríspida.
- Já imaginávamos. - ele suspira. - Bom, como deve saber, existem suspeitas de que seja a princesa herdeira do trono da França. Preciso que venha comigo.
- Ir para onde? - o assunto estava começando a ficar interessante.
- Para o castelo, é claro. O rei solicita sua presença. - Meu nome é Vincent. - declara. - Estou aqui em nome de vossa majestade, o rei Anthony. Ele recebeu uma carta de Alicia Aubry.
- Ela está morta. - você diz ríspida.
- Já imaginávamos. - ele suspira. - Bom, como deve saber, existem suspeitas de que seja a princesa herdeira do trono da França. Preciso que venha comigo.
- Ir para onde? - o assunto estava começando a ficar interessante.
- Para o castelo, é claro. O rei solicita sua presença.

  • Faço mais algumas perguntas por segurança, afinal, parecia bastante suspeito. Após ter certeza de que era real, peço um momento para pegar o que preciso.
  • Solto um enorme sorriso e corro para arrumar minhas coisas o mais rápido possível.
  • Fico surpresa, porém contente. O convido para entrar e ele espera enquanto vou fazer as malas.

- Quem era? - pergunta Olivia quando retorna ao quarto.
- Você não vai acreditar. - diz sorridente.
Depois de explicar tudo, ela te ajuda a arrumar as coisas. Vocês se despedem rapidamente.
- Não se esqueça de mim quando ganhar uma vida de princesa. - pede ela rindo enquanto te abraça.
- Não vou. - promete.
Você acompanha Vincent até um carro brilhante e chique, que estava estacionado. Para sua surpresa, haviam seguranças e um motorista privado.
O caminho até o aeroporto foi rápido. Ao chegar, foi conduzida a uma espécie de pista particular, onde um elegante avião lhe esperava.
"Minha vida será assim a partir de agora?" você pensa ao embarcar. - Quem era? - pergunta Olivia quando retorna ao quarto.
- Você não vai acreditar. - diz sorridente.
Depois de explicar tudo, ela te ajuda a arrumar as coisas. Vocês se despedem rapidamente.
- Não se esqueça de mim quando ganhar uma vida de princesa. - pede ela rindo enquanto te abraça.
- Não vou. - promete.
Você acompanha Vincent até um carro brilhante e chique, que estava estacionado. Para sua surpresa, haviam seguranças e um motorista privado.
O caminho até o aeroporto foi rápido. Ao chegar, foi conduzida a uma espécie de pista particular, onde um elegante avião lhe esperava.
"Minha vida será assim a partir de agora?" você pensa ao embarcar.

  • .
  • .

Era sua primeira vez andando de avião. Durante o vôo, você... Era sua primeira vez andando de avião. Durante o vôo, você...

  • Aproveito o tempo para descansar, afinal, quando chegar ao destino, tenho muito o que descobrir.
  • Fico meio enjoada, pois não gosto de aviões.
  • Não contenho minhas lágrimas, ainda abatida pela morte de minha mãe.
  • Pensativa, fico imaginando como será meu pai e criando teorias sobre minhas história.
  • Estou extremamente animada com tudo e mal posso esperar para chegarmos!

~15:48
Você acorda confusa, demorando um tempo para entender que havia dormido. Quando olha pela janela, arregala os olhos.
O castelo. Você havia enfim chego.

Qual era o palácio? ~15:48
Você acorda confusa, demorando um tempo para entender que havia dormido. Quando olha pela janela, arregala os olhos.
O castelo. Você havia enfim chego.

Qual era o palácio?

𝐂𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚... 🌹 Refazer

𝐂𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚... 🌹

A parte 2 já está disponível no meu perfil ❤️

Compartilhar

𝐂𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚... 🌹 Refazer

𝐂𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚... 🌹

A parte 2 já está disponível no meu perfil ❤️

Compartilhar

Calculando Resultado
clock facebook twitter whatsapp redo search x home profile pencil logout quiz list test user star